Sempre falamos em dieta balanceada. Mas entre todas as maneiras de se alimentar e obter nutrientes, essa provavelmente é a mais inusitada: tomar sol. Ao contrário da maioria das vitaminas e minerais, os raios solares é que propiciam a síntese da vitamina D, também chamada de colecalciferol.

90% da vitamina D que obtemos são produzidas pela pele, em resposta à exposição à radiação ultravioleta da luz natural. Para que essa síntese aconteça regularmente, deve-se ficar ao sol pelo menos 15 minutos diariamente. Sempre ao ar livre, com o máximo de pele exposta e sem barreiras como vidros de carros, para que os raios atinjam diretamente a maior parte possível.

Quando aparece em bons níveis no organismo, a vitamina D auxilia na absorção do cálcio – mineral que estrutura os ossos e é importantíssimo para a prevenção da osteoporose, na coagulação e na redução de fraturas por queda. Indispensável para quem pratica exercícios e a partir dos 50 anos, quando a resistência e a produção desses nutrientes caem bastante.

A importância da combinação de sol, vitamina D e cálcio aumenta ainda mais com a menopausa. Durante e após esse período, as mulheres têm mais chances de ter osteoporose, pois a queda de estrogênio acarreta em perda óssea. É hora de obter um pouco mais.

Dependendo de como estejam os níveis, pode ser preciso suplementar. Caso contrário, a melhor fonte desses nutrientes continua sendo a luz solar, combinada com alimentos como, salmão, sardinha, laticínios, espinafre, suco de laranja e atum.