Colágeno hidrolisado, peptídeos de colágeno, peptídeos bioativos de colágeno, Verisol®, Peptan®, colágeno tipo I, tipo II, tipo III... São tantas as versões e produtos à base de colágeno no mercado que fica difícil escolher o ideal.

 

Os especialistas mestres e doutores do Centro de Pesquisas da Sanavita® (CEPS) vão desvendar os segredos do colágeno e deixar você por dentro do que é mito e o que é ciência!

 

Para começar, é importante esclarecer que o colágeno é uma proteína naturalmente produzida pelo corpo e sua função no organismo é dar sustentação às células, mantendo-as unidas, sendo o principal componente proteico de órgãos como a pele, ossos, cartilagens, ligamentos e tendões. Essa proteína é tão abundante que representa aproximadamente 25 - 30% de toda proteína do corpo humano. Dentre os tipos de colágeno (existem 28 no total), os mais encontrados no nosso corpo são os tipos I, II, III, IV e V, sendo o tipo I o mais comum1-3.

 

Se meu corpo produz colágeno, porque eu preciso suplementar?

 

Com o envelhecimento, a produção de colágeno é reduzida: aos 30 anos o corpo pode sofrer uma perda anual de aproximadamente 1% e aos 50 anos, a produção média de colágeno passa a ser apenas 35%4. Além disso, fatores como exposição excessiva aos raios solares (UV), tabagismo, má alimentação e stress podem favorecer o envelhecimento precoce e a deficiência de colágeno no corpo. Pele seca, flácida, sensível a lesões superficiais e aos efeitos da exposição solar, rugas, estrias, enfraquecimento de cabelo e unhas, bem como fragilidade articular, podem ser sintomas que indicam que há deficiência de colágeno5,6. Para contornar esses problemas a ingestão oral de colágeno é recomendada!

 

Como o colágeno para ingestão oral é produzido?

 

Todo o processo começa com a matéria prima rica em colágeno nativo, que pode ser de fonte bovina, suína ou de peixes. Na sua forma natural a molécula de colágeno é muito grande (cerca de 300kDa), pouco digerível e sua absorção mais difícil pelo organismo.

 

A hidrólise (quebra) parcial do colágeno resulta no ingrediente que conhecemos como gelatina. Contudo, esse alimento não vai rejuvenescer sua pele ou deixá-la mais firme, nem vai beneficiar a saúde das suas articulações e ossos! O tamanho da molécula (50-100kDa), apesar de ter sido reduzido, ainda é muito grande para ser metabolizado com eficiência pelo organismo.

 

É somente quando o colágeno sofre extensiva hidrólise enzimática que é possível a obtenção de um alimento com ação biológica eficaz. O ingrediente neste caso é denominado de colágeno hidrolisado e é composto por inúmeros fragmentos proteicos denominados peptídeos de colágeno. Devido ao pequeno tamanho (2 a 5 kDa), são altamente digeríveis e prontamente absorvidos pelos tecidos. Estudos mostram que mais de 90% dos peptídeos de colágeno são digeridos e absorvidos em poucas horas após o consumo. Esta rápida absorção garante uma entrega efetiva dos aminoácidos e peptídeos essenciais ao seu local de ação no nosso organismo7,8.

 

O que torna o colágeno para consumo oral uma substância única?

 

Seu perfil de aminoácidos! O colágeno é o único alimento que contém na sua composição altas concentrações dos três aminoácidos essenciais para síntese de colágeno no corpo - a hidroxiprolina, prolina e glicina. Após ingestão, as moléculas de colágeno ricas nesses três aminoácidos agem como mensageiras informando ao organismo sobre a necessidade de síntese e reorganização de novas fibras de colágeno, sejam elas na pele, ossos ou cartilagens9.

 

O que são peptídeos “bioativos” de colágeno?

 

Todos os colágenos hidrolisados contêm em sua composição peptídeos “ativos” ou “bioativos” biodisponíveis, uma vez que após ingeridos esses pequenos fragmentos de proteína estimulam a produção de colágeno nos tecidos alvo.  A nomenclatura peptídeos bioativos de colágeno, no entanto, vem sendo mais utilizada para se referir ao ingrediente Verisol®, um colágeno hidrolisado obtido a partir do colágeno nativo de fonte suína ou bovina, através de tecnologia alemã patenteada que resulta na formação de peptídeos de colágeno únicos, que são capazes de fazer entregas específicas para a pele.

 

Então o Verisol® seria melhor que outros colágenos hidrolisados, como o Peptan®?

 

Os dois colágenos hidrolisados agem comprovadamente estimulando a síntese de colágeno na pele e por isso são excelentes escolhas para compor a rotina de beleza.  Contudo, fique atento às dosagens: para ter os benefícios é necessário o consumo diário de 8-10g de colágeno hidrolisado10, como o Peptan®, e no caso do colágeno hidrolisado Verisol® apenas 2,5g. A diferença de dosagem está associada ao processo tecnológico empregado para a produção do Verisol®, que permite ao ingrediente ser efetivo em menor dosagem. A Sanavita tem em sua linha essas duas opções de colágeno!

 

Ouvi falar que o colágeno para pele tem que ser o tipo I e III e para as articulações o tipo II, isso é verdade?

 

O colágeno hidrolisado disponível no mercado é obtido do colágeno nativo da pele de animais, especialmente bovinos, rica em colágenos do tipo I e III. Contudo, o processo de hidrólise desconfigura a molécula do colágeno nativo e nesse momento ele perde a definição de tipo.  Assim, após a hidrólise temos fragmentos de proteínas e não mais colágeno do tipo I, III, IV... A ingestão dos peptídeos presentes em produtos à base de colágeno é que proporcionará a síntese dos diferentes tipos de colágeno no nosso corpo, ou seja, colágeno I e III para a pele, tendões e ligamentos, tipo II para as articulações e assim por diante.

 

O único colágeno atualmente disponível no mercado que mantém o tipo é o colágeno não hidrolisado do tipo II, extraído diretamente da cartilagem do frango, em sua forma intacta e não desnaturada.

 

Tenho problema nas articulações, qual colágeno devo consumir?

 

Tanto o colágeno hidrolisado como o não hidrolisado do tipo II apresentam estudos clínicos com benefícios para as articulações, e a Sanavita tem em sua linha essas duas opções.

 

O colágeno tipo II é formado por colágeno não hidrolisado, tal como está no esterno do frango, de onde é extraído. Você deve estar se perguntando: mas o Colágeno não é melhor hidrolisado na forma de peptídeos? No caso das articulações, os pesquisadores descobriram que a ingestão de moléculas de colágeno tipo II intactas, ou seja, sem hidrólise ou desnaturação, cria uma cascata de reações que reduz os processos inflamatórios que favorecem o desgaste das articulações, causam dor e inchaço. O colágeno tipo II é um colágeno específico, que age sem ser absorvido e é super focado na saúde articular! Sua especificidade é tamanha que a ingestão de apenas 40mg é suficiente para sentir os benefícios11-13.

 

Já o colágeno hidrolisado, atua de uma forma diferente na saúde articular. Na forma de peptídeos, o colágeno é rapidamente absorvido pelo organismo, e o aumento dos níveis desses fragmentos proteicos na corrente sanguínea estimula o crescimento de novas células de cartilagem nas articulações, beneficiando quem sofre com os efeitos do envelhecimento e do estresse mecânico sobre essas áreas. Nesse caso, o consumo diário de 10g de colágeno é recomendado e pode ajudar a restituir a mobilidade das articulações, melhorando assim, a qualidade de vida. Diferentemente do tipo II, é um colágeno não específico e pode trazer benefícios a outros tecidos como ligamentos e tendões14-16.

 

Quero fortalecer a massa óssea, qual o colágeno mais indicado?

 

Certamente o colágeno hidrolisado! Os peptídeos são capazes de estimular a síntese de colágeno nos ossos, mantendo a dureza e resistência característica do tecido17. O colágeno é um importante aliado na prevenção e combate da osteoporose e 8-10g são suficientes para obtenção de ótimos resultados.

 

A Sanavita® tem um colágeno específico para você!

 

Não é por acaso que a Sanavita® sempre foi considerada referência no mercado de colágeno. Há mais de uma década seus pesquisadores estudam e desenvolvem junto aos principais especialistas da área, fórmulas especiais com peptídeos de colágeno que atendem os desejos de cada um dos seus clientes, seja em benefícios, sabor, praticidade ou preço.

 

Sempre apoiada em evidências científicas que comprovam os benefícios dos seus produtos, o Colágeno Skin da Sanavita®, associado à vitaminas e minerais, foi avaliado em estudo clínico com conduzido na Universidade de São Paulo (USP) e publicado na revista Clinical Pharmacology & Biopharmaceutics18.

 

Então, depois de todas essas informações e dicas, basta escolher o produto que tem tudo a ver com você!

 

Referências Bibliográficas

 

1.Campos PM. et al. An Oral Supplementation Based on Hydrolyzed Collagen and Vitamins Improves Skin Elasticity and Dermis Echogenicity: A Clinical Placebo-Controlled Study. Clinical Pharmacology & Biopharmaceutics, 4:142, 2015.

  1. Sibilla, S. et al. An Overview of the Beneficial Effects of Hydrolysed Collagen as a Nutraceutical on Skin Properties: Scientific Background and Clinical Studies. The Open Nutraceuticals Journal, v. 8, p. 29–42, 2015.
  2. Zague, V. A. new view concerning the effects of collagen hydrolysate intake on skin properties. Arch Dermatol Res, v.300, p.479–483, 2008.
  3. Sumida E et al. The effect of oral ingestion of collagen peptide on skin hydration and biochemical data of blood. J Nutr Food, v.7, p.45-52, 2004.
  4. Chung H. J. et al. Collagen fibril formation. A new target to limit fibrosis. J Biol Chem v. 283, p. 25879-25886, 2008.
  5. Proksch E, et al. Oral intake of specific bioactive collagen peptides reduces skin wrinkles and increases dermal matrix synthesis. Skin Pharmacol Physiol v. 27, p. 113-119, 2014.
  6. Oesser, S. et al. Oral administration of (14)C labeled gelatin hydrolysate leads to an accumulation of radioactivity in cartilage of mice (C57/BL). The Journal of Nutrition, v. 129, n. 10, p. 1891–1895, 1999.
  7. Iwai K et al. Identification of food-derived collagen peptides in human blood after oral ingestion of gelatin hydrolysates. J Agric Food Chem. v.53, n.16, p.6531-6, 2005.
  8. Seifert J. Collagen Hydrolysate and its Biological Value. Cap. 3. In: Collagen Hydrolysate and its Relationship to Joint Health – A Scientific Compendium. Germany. 1 ed. 2004.
  9. Liu, D. Collagen and Gelatin. Annual Review of Food Science and Technology, v. 6, n. 1, p. 527–557, 2015.
  10. Gupta, R. C. Comparative therapeutic efficacy and safety of type-II collagen (uc-II), glucosamine and chondroitin in arthritic dogs: Pain evaluation by ground force plate. Journal of Animal Physiology and Animal

Nutrition, v. 96, n. 5, p. 770–777, 2012.

  1. Lerman, M. B et al. Nutritional Approach for Relief of Joint Discomfort : A 12-week, Open-case Series and Illustrative Case Report. Integrative Medicine. v. 14, n.5, 2015.
  2. Bakilan, F. et al. Effects of Native Type II Collagen Treatment on Knee Osteoarthritis: A Randomized Controlled Trial. The Eurasian Journal of Medicine, v. 48, n. 2, p. 95–101, 2016.
  3. Clark KL et al. 24-Week study on the use of collagen hydrolysate as a dietary supplement in athletes with activity-related joint pain. Curr Med Res Opin. v. 24, n.5, p.1485-96, 2008.
  4. Benito-Ruiz P. A randomized controlled trial on the efficacy and safety of a food ingredient, collagen hydrolysate, for improving joint comfort. Int J Food Sci Nutr. v.60, n.2, p.99-113, 2009.
  5. Trč T & Bohmová J. Efficacy and tolerance of enzymatic hydrolysed collagen (EHC) vs. glucosamine sulphate (GS) in the treatment ofknee osteoarthritis (KOA). Int Orthop. v.35, n.3, p.341-8, 2011.
  6. Porfírio, E. et al. Collagen supplementation as a complementary therapy for the prevention and treatment of osteoporosis and osteoarthritis: a systematic review. Revista Brasileira de Geriatria E Gerontologia, v. 19, n. 1, p. 153–164, 2016.
  7. Campos PM. An Oral Supplementation Based on Hydrolyzed Collagen and Vitamins Improves Skin Elasticity and Dermis Echogenicity: A Clinical Placebo-Controlled Study. Clin Pharmacol Biopharm, 4:3, 2015.