Ela regula a absorção de várias substâncias, mantém o cérebro em ordem e está relacionada à expectativa de vida. A vitamina D é um hormônio produzido em nosso organismo por meio da exposição ao Sol.

Os dermatologistas indicam 20 minutos diários, sem filtro solar, preferencialmente no início da manhã e no final da tarde. Que tal então aproveitar para praticar atividades físicas ao ar livre durante esse período do dia? Elas são ideais para equilibrar corpo e mente e manter em dia a produção da vitamina.

Mas, você sabe para o que ela realmente serve e sua importância para o funcionamento de todo o organismo? Ela é responsável por regular a absorção de cálcio e fósforo, manter o cérebro funcionando plenamente, fortalecer os ossos, dentes e músculos, além do coração. É essencial na prevenção da osteoporose e especialistas já apontam que ela é uma das responsáveis pelo aumento da expectativa de vida.

Alimentação

Alguns alimentos são importantes aliados para ajudar a manter os níveis dessa vitamina equilibrados, podendo ser encontrada nos peixes de água salgada, algumas castanhas e em folhas como a couve e espinafre. Alguns exemplos:

  • Salmão/atum/sardinha: Esses peixes estão no topo dessa lista. Cerca de 100g do alimento enlatado contém uma quantidade ideal a ser consumida semanalmente;
  • Gema de ovo: Uma gema grande de ovo contém 37 UI de vitamina D. Esse alimento também é uma boa fonte de proteína.
  • Queijos: Um copo de ricota oferece 25 UI, mas deve ser consumida com moderação, pois também possui gordura.
  • Cogumelos: Alguns tipos de funghi, por exemplo, quando mais expostos à luz solar, podem conter níveis de vitamina D. Por isso, dê preferência às marcas que priorizam este tipo de cultivo.

Como toda e qualquer ingestão de alimentos e demais substâncias, é preciso estar em alerta com as mudanças do seu próprio corpo e procurar não consumir nada em exagero. Os especialistas apontam a medição dos níveis de vitamina D por meio de exame de sangue. Nesse caso, é possível saber, inclusive, se há necessidade de suplementação. Taxas que variam de 30 a 74 ng/ml são consideradas normais. Por outro lado, o excesso de vitamina D pode ser tóxico e aumentar a concentração de cálcio no sangue, o que contribui para o aumento de cálculos renais e o depósito nas artérias. Então, a dica de sucesso é: consulte sempre um médico ou um nutricionista.